RSS

Arquivo da tag: Criança

Quando se faz de conta que não sabe

Escrevo mais um pensamento: o de imaginar certas pessoas que não são “nada” e ao mesmo tempo são tão únicas e especiais.

A anciã poetiza, o jardineiro espiritual, o coletor de lixo profeta… Acho que era isso que Fernando Pessoa, ou melhor, Bernardo Soares, o ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa, quis expressar:

 “Mas o contraste não me esmaga – liberta-me; e a ironia que há nele é sangue meu. O que devera humilhar-me é a minha bandeira, que desfraldo; e o riso que deveria rir de mim, é um clarim com que saúdo e gero uma alvorada em que disfarço. A glória noturna de ser grande não sendo nada! A majestade sombria de esplendor desconhecido… E sinto, de repente, o sublime do monge no ermo, do eremita no retiro, inteirado da substância de Cristo nas pedras e nas cavernas do afastamento.”  

É gratificante quando podemos responder várias perguntas complexas, místicas, psíquicas, filosóficas, teológicas… Ou seria pura besteira? Melhor mesmo é quando nos fazemos de tolos, abrimos mão do falar e só ouvimos, desenhamos na areia, vivemos os sonhos dos outros ou percebemos que diferença é soma.

Ao brincarmos com crianças, fazendo-lhes perguntas, ficamos satisfeitos com suas respostas. No mínimo, conquistam nossos sorrisos. Algumas gostam de inverter os papéis ou, do que chamam,  “brincar de professor”… O barato, é fazer de conta que não sabemos, é ser apenas um aprendiz.

Enfim, quando o poder de não exercer o poder for algo a se desejar, não precisaremos das glórias dos homens, tampouco do nosso orgulho; ansiaremos poucas coisas até. Tentaremos esquecer menos dos nomes daqueles que julgamos não serem tão importantes e nos aqueceremos mais do frio. Afinal, os ombros estarão bem mais próximos.

 

Jhônatas Cabral    

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em outubro 17, 2008 em Quartos

 

Tags: , , , , , , , ,

Amizadear

Jardins

 

Amigos se entendem sem precisar falar.
Vivem em sintonia nos pensamentos,
na alegria ou no pezar.
Vez por outra, costumam expressar:
– Acho que já nos conhecemos de muito tempo
ou talvez de algum lugar.
Proseiam lembranças e brotam acalantos ternos
onde os abraços e a estima aquecem o coração.
Não existe a tristeza que não possa ser valiosa.
Antes, os laços que prendem suas vidas são revestidos de ternura de criança,
daquele olhar benfeitor.
A cada dia se percebem amigos;
Afinal, riem juntos com os ponteiros parados de um tempo
que se apressa em contar as horas de uma nova chegada, de uma nova estação.
Amigos se gostam e se encontram sempre na simplicidade.
Eles deixam todos bem perto, ou seja, livres.
Nos amigos, os sonhos são revelados e a taça nunca está vazia…
há um destino de felicidade a cada prosa, a cada travessia.

Os amigos
são
jardins.
 
 

   Jhônatas Cabral (Agosto -2008) 

 

 

 
1 comentário

Publicado por em agosto 26, 2008 em Poemas

 

Tags: , , , , , , , , , , , , ,