RSS

O Mar e o Amar

04 dez

Pajuçara 12 

 

Cura minha mão ferida,

Querido mar!

Cura as cicatrizes da vida

Ao te tocar.

 

O que é mais importante pra você?

Só me ouvir ou me responder?

 

No meu coração enganoso

Lanço-me em ti.

No seu oceano amoroso

Consigo amar, venci!

 

Agora, o que é mais importante para mim?

Só te ouvir ou responder-te sim?  

 

Vejo essa pedra e imagino uma ponte,

Medito…

Quero navegar-te além do horizonte,

Finito…

 

Aí me lembro da surpresa

E do prazer que ela traz.

O choro é beleza,

O inesperado é paz.

 

Jhônatas Cabral

Anúncios
 
4 Comentários

Publicado por em dezembro 4, 2008 em Fotografias, Poemas

 

Tags: , , , , , ,

4 Respostas para “O Mar e o Amar

  1. Andre L. Soares

    dezembro 4, 2008 at 14:35

    O mar também é, pra mim, uma de minhas mais fortes inspirações. Talvez por ser, na Terra, a maior manifestação da natureza.

    Gostei muito do poema. Eu também costumo dialogar com o mar, através da poesia.

    Grande abraço, Poeta.

     
  2. evelyncavalcante

    dezembro 5, 2008 at 14:35

    O mar fala para cada um, sopra no ouvido uma mensagem diferente, algumas de pavor outras de Amor.. ou os dois.
    saber ouvir a mesagem do mar e dialogar com as ondas nos aproxima de Deus e apreciar sua criação e aprender o seu grande Amor.

     
  3. ju rigoni

    dezembro 6, 2008 at 14:35

    Oi, Jhonatas! Adorei o poema.

    Como você já deve ter percebido, o mar é uma das minhas paixões. Em meus quase sessenta anos de vida, perdi a conta de quantas vezes ele invadiu minhas emoções, a ponto de tornar-se uma quase constante em meus textos poéticos. Obviamente, moro bem pertinho dele, – caminho um quarteirão para deparar-me com cerca de 40 quilômetros de praia de mar aberto, areias brancas e ondas normalmente muito grandes. Adoro seu cheiro, seu som, suas cores em equilíbrio com o céu, – especialmente os espetáculos do nascer e do por-do-sol -, sua água limpa e revigorante em minha pele, e os seus frutos. Com a devida licença do Caetano, está aí algo que “entra pelos sete buracos da minha cabeça”…

    Bjs, querido, e inté!

     
  4. Samantha

    dezembro 6, 2008 at 14:35

    Oi poeta.
    A água em si me traz calma, me faz relaxar, pensar e sonhar infinitamente.
    O mar… ahh o mar… olho no horizonte e assim como não consigo ver seu fim… meus sonhos também são infinitos
    beijão

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: